Bem-estar

Nova abordagem sobre a anorexia

anorexia

Classificada como um distúrbio alimentar, a anorexia nervosa pode estar relacionada com alterações na zona do cérebro que processa a informação sobre o paladar.

A conclusão é de um estudo levado a cabo por investigadores das Universidades de Pittsburgh e da Califórnia, envolvendo 16 mulheres que recuperaram da doença e cuja reacção a vários sabores foi comparada à de mulheres saudáveis através de ressonâncias magnéticas. No caso das antigas anoréticas, a resposta cerebral ao sabor foi menos intensa, provando que têm mais dificuldade em associar a comida ao prazer.

Obesidade Abdominal: as gorduras inimigas da saúde

obesidade abdominal

A obesidade abdominal, para além de ser altamente inestética, afeta gravemente a saúde, sendo mesmo considerada a gordura mais prejudicial ao corpo humano.

De acordo com um estudo feito a cerca de 45 mil mulheres, a gordura abdominal aumenta o risco de morte, mesmo nas que apresentam um índice de massa corporal (IMC) considerado normal.

A obesidade abdominal está ligada ao desenvolvimento de vários fatores de risco para o coração, como níveis de colesterol, resistência à insulina, diabetes, hipertensão e trombose; além disso, estas gorduras aumentam também o risco de cancro – em especial da mama, útero, cólon, intestino grosso e rins.

Chá pode ter mais benefícios que a água

beber chá

Beber três ou mais chávenas de chá por dia é tão bom como beber água e até pode trazer benefícios extra para a saúde, segundo o European Journal of  Clinical Nutrition.

Principais propriedades do chá:

  • O chá não desidrata.
  • Hidrata e pode proteger de doenças cardíacas e do cancro, segundo nutricionistas britânicos citados no jornal European Journal of Clinical Nutrition.
  • Os flavonóides, que promovem a saúde, são o seu principal ingrediente.
  • Os antioxidantes encontrados em alimentos e plantas, como a do chá, previnem a danificação das células.
  • O chá protege os dentes das bactérias e da degradação, além de reforçar os ossos.
  • Quem sofre de anemia deve, no entanto, evitá-lo às refeições, pois pode prejudicar a absorção de ferro.

Receita de Sumo para fortalecer o sistema imunológico

sumo para fortalecer o sistema imunológico

Esta receita de sumo é muito saudável e está particularmente indicada para fortalecer o sistema imunológico, enquadrando-se perfeitamente no regime alimentar de uma dieta equilibrada.

Ingredientes:

  • 1 folha de couve
  • 1 punhado de folhas de hortelã
  • 1 punhado de folhas de salsa
  • 2 cenouras
  • 2 maçãs
  • 200 ml de água de coco (opcional)

Vantagens da Dieta Mediterrânea

vantagens da dieta mediterrânea

As doenças cardiovasculares representam uma das principais causas de morte, tendo como maiores fatores de risco a hipertensão arterial, o tabagismo, o stresse, o sedentarismo, o colesterol, a diabetes e os maus hábitos alimentares – caracterizados pelo excesso na ingestão de sal, gorduras e açúcares de absorção rápida, associados à ausência/consumo reduzido de legumes, vegetais e fruta fresca. A  dieta mediterrânea é exatamente o oposto desta alimentação incorreta, uma vez que promove hábitos alimentares saudáveis.

Elsa Feliciano, nutricionista da Fundação Portuguesa de Cardiologia (FPC), explica que “a dieta mediterrânica corresponde a um padrão alimentar que envolve características relacionadas tanto com os alimentos que ingerimos como com um conjunto de hábitos que fazem deste padrão alimentar um dos mais saudáveis do mundo”. Esta é uma dieta que se caracteriza, entre outras coisas, pelo facto de a quantidade de alimentos ingeridos ser totalmente adequada às necessidades do nosso organismo.

A nutricionista salienta ainda que a “base da pirâmide desta dieta, ou seja, os alimentos que entravam em maior quantidade no dia a dia, eram os cereais, sobretudo os mais escuros, através do pão, do arroz e da massa. Por outro lado, os legumes e a fruta faziam parte de praticamente todas as refeições e eram consumidos diariamente. Depois havia consumos moderados, a maior parte das vezes nem sequer diários, de carne, peixe, laticínios e leguminosas, que entravam na alimentação de uma forma bastante moderada, sendo que quando falamos de carne, falamos sobretudo de pequenos animais, tais como as aves de capoeira, o coelho e eventualmente o porco. As carnes vermelhas eram consumidas mensalmente e em menor quantidade”.